ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ

“O corpo é paralisado pelo ferimento físico, o espírito pelo medo.”
T.W. Adorno e M. Horkheimer

Amargo. Ninguém gosta desse sabor. Mas, na vida, ele virá, quer você o aceite ou não, mesmo que nada tenha a ver com a situação. Agora, se, de alguma forma, ele me contamina, a ponto de tornar-me como ele, insuportável e intragável, estaria sujeito à rejeição, assim como fazemos com o alimento que possui tal sabor.

CADA UM NO SEU QUADRADO

A vida é feita de circunstâncias e casualidades. Mas não entendemos isso. A gente quer tudo seja exatamente como planejamos. Nada pode sair do roteiro. Porque, se sair, a coisa vai ficar feia. Pois, somo seres humanos, naturalmente egoístas. Aprendemos a chorar pelo peito desde muito cedo e nossas mães sempre atendem.

Na infância fazemos um curso profundo sobre como ser o centro das atenções e ter tudo sob o nosso controle. Desde cedo, a criança aprende a gostar do doce em detrimento do amargo. Nossos pais nos ensinaram assim. E, a cada nova geração, isso vai piorando. E, por esse motivo, qualquer relacionamento não dura por muito tempo. Assim que acaba o açúcar do chiclete, é hora de pegar um novo. As pessoas preferem viver sozinhas, isoladas em suas próprias vidas, ou alimentar relações que mantenham cada um em seu “quadrado”.

VIAGEM INSÓLITA

O gosto amargo, na vida, sempre vai existir. Tentar evitá-lo faz de nós seres fracos, sem imunidade emocional. Fugir dos problemas, das tempestades, dos terremotos, das dores, do gosto ruim da vida só ajuda a criar pessoas sem a habilidade de resolver problemas, gente que viaja pelo universo, através de galáxias, por outros mundos, planetas, mas não conhecem nadinha do seu próprio coração. Em muitos casos é uma terra de ninguém, terra abandonada, terra esquecida, empoeirada, terra desolada, um palácio de silêncio e solidão.

Carlos Drummond de Andrade nos dá um precioso mapa para essa viagem: “Restam outros sistemas fora do solar a colonizar. Ao acabarem todos, só resta ao homem (estará equipado?) a dificílima; dangerosíssima viagem de si a si mesmo: pôr o pé no chão do seu coração; experimentar; colonizar; civilizar; humanizar o homem; descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas a perene, insuspeitada alegria de con-viver.”

O coração é um órgão muito complexo. Intrincado músculo. É resistente para suportar grandes impactos. E ele fica mais forte à medida que o exercitamos. Assim como o físico, o coração emocional também possui suas particularidades. Escolher sempre a conveniência, o mais fácil, na tentativa de evitar o pior, não é uma decisão sábia. Às vezes, o caminho que escolhemos para evitar problemas acaba nos levando direto a eles. Andar de pantufas sobre a vida apenas alimenta a triste ilusão de não estarmos pisando num chão recheado de pedras.

Viver num casulo criará um organismo incapaz de suportar o próprio meio de onde ele mesmo veio. Viver num casulo cria uma alma que não suportará o próprio meio de onde deveria tirar seu sustento emocional e para onde deveria enviar suas melhores sementes. Viver escondido numa caverna é zombar do universo, da natureza, do mundo, de Deus. O propósito do ser humano é um só: conectar-se a outros seres humanos. Através de seus talentos, daquilo que pulsa fortemente dentro do peito e ecoa por suas veias.

Deus está, exatamente, nesse momento de ligação. Como numa sinapse, neurônios sozinhos não são capazes de fazer nada pelo cérebro. Mas, ao decidirem dar as mãos, flui o pensamento, acendendo luzes pelos corredores da mente. Assim, vive melhor o corpo. “Mente sã, corpo são”. E, se um deles precisa partir, por algum motivo ser desligado, o próprio cérebro, cuidadosamente, encontrará novas possibilidades de conexão, criando novas rotas. Pois, a sobrevivência de todo um organismo depende disso.

VISTA PRIVILEGIADA

Nosso compromisso com a vida é muito grande. Muito maior do que imaginamos. O melhor é parar de ficar choramingando, reclamando e jogando pedras no vento. Na verdade, nem por isso o “amargo” vai desaparecer da nossa vida. Entretanto, começaremos a entender quais são e como é maravilhoso o gostinho das coisas doces da vida.

Se eu não enfrentar o “amargo” de frente e conhecê-lo como ele realmente é; colocá-lo na boca e sentir seu sabor e textura, não poderei jamais, em nenhuma circunstância, dizer para ninguém que o doce existe de verdade e que ele é bom. Só existe sombra por causa da luz.

Penso nas montanhas como metáforas, como Nietsche também, para quem quer ver o mundo por uma perspectiva diferente. Mas, o caminho até lá em cima vai cobrar o preço de um aprendizado. A vista privilegiada da vida faz exigências que só os corajosos serão capazes de cumprir.

Anúncios

3 comentários sobre “ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ

  1. Fátima Batitucci

    “Ainda bem que existem várias bolas de sorvete, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado…

    Um dia a gente cria juízo.
    Um dia…
    Não tem que ser agora.

    Por isso, garçom, por favor, me traga: cinco bolas de sorvete de chocolate…
    Depois a gente vê como é que faz para consertar o estrago…”

  2. Arthus Weneck

    Brother dessa vez vc se superou!

    Esses textos sao chocantes, mechem mtu com a vida da gent e com nosso eu (modo de ver, sentir e ate msm planejar a vida)!

    Cito agora algumas partes importantissimas do texto que deveriam estar grifadas ou em negrito:

    “…E, a cada nova geração, isso vai piorando. E, por esse motivo, qualquer relacionamento não dura por muito tempo. Assim que acaba o açúcar do chiclete, é hora de pegar um novo. As pessoas preferem viver sozinhas, isoladas em suas próprias vidas, ou alimentar relações que mantenham cada um em seu “quadrado”…” (desculpa mas essa part roubei e coloquei no meu perfil do orkut!

    “…Fugir dos problemas, das tempestades, dos terremotos, das dores, do gosto ruim da vida só ajuda a criar pessoas sem a habilidade de resolver problemas, gente que viaja pelo universo, através de galáxias, por outros mundos, planetas, mas não conhecem nadinha do seu próprio coração…” isso eh a mais pura verdad eo mundo vive nessa ilusao do “fucker” td e tds!

    “…Andar de pantufas sobre a vida apenas alimenta a triste ilusão de não estarmos pisando num chão recheado de pedras…” kde as experiencias do dia a dia das pessoas?! sejam boas ou sejam ruim elas tem de ser vividas!

    “…Viver escondido numa caverna é zombar do universo, da natureza, do mundo, de Deus…” isso esta muito claro! falo pouco mas buuunito!

Olá! O seu comentário é muito bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s